Eu comi chicharada e gostei

Chicharos-5-510x652

Serpão, açaflor, feijoca, chícharo, lódão, erva do calhau ou ossama. Sabe o que são? Produtos alimentares de origem vegetal, sabores, cheiros e texturas esquecidos, que a nova marca Otoctone redescobriu e quer trazer de volta para a mesa dos portugueses.

A Otoctone, fundada pelo gestor Álvaro Dias, “pretende dar a conhecer experiências gastronómicas que caíram no esquecimento. Identifica produtos que vêm de zonas como os Açores, Beira Alta ou Alentejo.

A ideia deste professor de marketing é ir às raízes gastronómicas de cada região, em Portugal e no estrangeiro, e valorizar os produtos autóctones, colocando-os ao dispor de todos que os queiram consumir.

Os chícharos, por exemplo, são uma leguminosa típica da serra de Sicó. Hoje, o seu consumo é muito reduzido, mas, no passado, foi muito importante na dieta alimentar, já que o seu cultivo é pouco exigente em água. [Eu provei e posso garantir que é muito saboroso]. Uma embalagem de 200 gramas custa seis euros. Aqui, pode encontrar uma receita de chicharada.

Numa primeira fase, o portefólio é exclusivamente de produtos portugueses, mas a ideia é completar a oferta com mais produtos de origem africana e brasileira. A Otoctone já prevê a abertura de uma filial no Brasil para facilitar a entrada dos produtos neste mercado.

Os produtos da Otoctone estão à venda em embalagens que variam entre os seis e os 200 gramas e podem ser encontrados em distribuidores selecionados, ou então também podem ser comprados através da loja online da marca.

Hábitos ao almoço

WWII Post War Japan

Aqui no jornal existe uma zona, ou melhor, duas salas cheias de micro ondas com TV aos berros, para as pessoas almoçarem, mas eu sempre preferi fazê-lo na minha secretária. Primeiro, por exigências de um site que não para, depois porque passou a ser mais agradável a tranquilidade do meu momento com a minha lancheira.

Considerando que sou dos que amam tudo spicy e que caril é mesmo o meu middle name, por vezes as minhas saborosas refeições criam um certo ambiente na redação. Ups… A The Atlantic conta que cerca de um terço dos norte-americanos faz como eu (imitadores!) e que a regra número um é mesmo não ter vergonha. Check!

Ora, leiam aqui o manual de instruções para uma decisão difícil. 😛

Uma garfada de cada vez

Hoje voltei a esta grande Farmácia
Entendem-me?!

IMG_2311

Passou um ano. Precisamente. E percebi que a minha adaptação a isto de partilhar espaço e vida com um homem se tornou bem mais simples. Deixa a garrafa do azeite aberta, eu a seguir tapo, não baixa (raramente) o tampo da sanita, eu depois baixo, deixa as gavetas da roupa abertas, se passo por lá, fecho-as eu, não faz mal. E nem digo nada. Só saio a ganhar.

Primeiro, porque assim não me chateio, não gosto de repreender (muito menos de ser repreendida). E eu valorizo mesmo quando as coisas aparecem feitas sem ter que me queixar, como se fosse tudo perfeito. Segundo, fico com créditos. E só eu sei (e quem vive comigo) como sou perita em não fechar o saco do pão, até o dito ficar em pedra de seco, ou em deixar o meu montinho de roupa ao fundo da cama, mesmo do lado dele. E, por último, ganho toda a sua boa vontade para fazer tudo por mim quando é verdadeiramente preciso.

Por exemplo, sempre detestei sentar-me à mesa para almoçar ou jantar. Só de pensar, perco a fome. O meu estilo sempre foi o de servir um prato (se for uma tigela daquelas para comer cereais, tanto melhor) e abancar no sofá, literalmente a pastar. O paraíso, então, é não servir mesmo nada e depois ir picando do seu prato, até me apetecer. Pronto, admito, que isso não é para qualquer um, mas hoje, passado um ano, já é uma realidade na nossa vida. Chegámos a um ponto tal em que, antes de preparar a sua própria tosta já me pergunta se prefiro presunto ou fiambre. Outra coisa: nos últimos 43 dias tenho vivido só com um braço, aliás, sem o braço direito, e posso dizer que nem uma vez bufou quando teve que preparar a minha papaia, ou as minhas papas de aveia com banana e borrifadelas de canela para o meu pequeno-almoço.

Acredito que a minha vida é tanto mais fácil quanto mais eu lhe facilitar a vida a ele. Parece simples, mas não é. Experimentem chegar ao final do dia, refastelarem-se no sofá e ignorarem aquele zumbido do Real Racing 3 mesmo atrás da vossa cabeça.

Fenómenos da blogosfera

Blogger bananas aeleven11

Adoro estes fenómenos cibernéticos e, sobretudo, conhecer gente estranha.

A mais recente aberração dos blogs consiste numa blogger australiana, de 25 anos, grávida de 26 semanas, que se alimenta apenas de bananas. Ao pequeno-almoço são DEZ bananinhas.

Diz ela que, antes, se entupia de junk food e álcool e que, agora, descobriu o caminho da felicidade na dieta 80:10:10 (80% de hidratos, 10% de gorduras e 10% de proteínas).

Tem sido o forrobodó, porque Loni Jane Anthony está grávida e, obviamente, está a comprometer o desenvolvimento do seu bebé. A blogger já tem mais de 100 mil seguidores no Instagram.

Para quem quiser ler mais sobre o tema: Huff Post e Daily Mail

O melhor do meu dia III

melhor_do_meu_dia_on

Ontem, a minha filha mais pré-adolescente que já conheci 😉 chegou a casa com uma boa notícia, o Bom a matemática – esta é a sua pior nota! – e acabámos as duas abraçadas e a cair, eu totalmente desamparada, à gargalhada, para cima da cama. ❤ Este momento foi, sem dúvida, um momento muito melhor do que o caril de camarão que fizemos para o jantar (tenho as minhas obsessões e a verdade é que sou capaz de comer caril todos os dias)

image

CarilCamarão

O melhor do meu dia…

melhor_do_meu_dia_on

… foi o tempo que passámos entretidos a cozinhar o jantar.
Batata doce, grão e castanhas. Só coisas boas. Os meus finais de dia costumam ser uma bela parte dos meus dias.

jantar

Também foi muito bom o início do Natal no bairro.

natal

A Catarina inventou este movimento e já somos muitos.
Gosto muito deste olhar, doce ainda melhor, sobre todos os dias das nossas vidas ❤

Inesperado

Tentámos chegar a algum lado a caminho de casa, mas era mentira. O trânsito não se mexia para lado nenhum. Antecipámos pelo menos uma horita para fazer o que normalmente demora 15 minutos. Bem o pensámos, melhor o fizemos. Voltámos a enfiar o carro no parque e fomos ao Sushi Café. Soube-nos pela vida. Primeiro, um gin e depois o meu temaki preferido, de salmão com crocante de batata doce. Tivemos ainda direito a uma especialidade, que só hoje ia ser posta na ementa, e que consistia nuns camarões em cama de batata doce com leite de côco. Privilégios de quem é amigo do chef 😛

Sushi3

Sushi2

Sushi1

Sushi4